0 votos
Comecei a ir na umbanda tem menos de 4 meses, a casa que frequento mesmo CEPA é bem tradicional, me sinto super bem quando vou lá, na verdade é o único lugar que me sinto totalmente bem é no terreiro. Na quarta-feira fui em na minha primeira gira de preto velho lá, e a vovó que me atendeu disse que a minha moça estava me cobrando um trabalho, champagne, vela e rosa vermelha na encruzilhada pra abrir meus caminhos... fiz o trabalho mas não consegui ascender a vela, estava ventando demais e ela apagava. Hoje sábado fui em uma gira de exu em outra casa, pq na que eu frequento só tem umas 3 vezes por ano gira de esquerda (só tem caboclo, preto velho e ere geralmente), quando falei com o exú, perguntei se tinha problema de eu não ter conseguido deixar a vela acesa (eu nunca tinha feito trabalho) e ele me perguntou pq eu fiz, pq a entidade só pede trabalho quando o médium já o conhece e sabe pra que entidade está trabalhando, que ele não manda recado por outros guias. Fiquei muito confusa.... a única coisa que tem em comum nos dois terreiros é que ambos falaram que sou médium, mas eu não acredito muito nisso... enfim, fiquei na dúvida se era certo ou não ter feito o trabalho. Eu senti que tinha que fazer, maas....
por (58 pontos)

1 Resposta

+2 votos
Boa noite, Laise. Tudo bem? Muito prazer, meu nome é David Dias e sou dirigente espiritual do Templo Umbandista Pai João de Angola.

Primeiramente, gostaria de lhe dizer que é comum termos inúmeras dúvidas quando começamos a frequentar um templo de Umbanda. Um dos motivos é de se tratar de uma religião múltipla e riquíssima em rituais e fundamentos. Entretanto, cada templo possui a liberdade de valorizar uma ou outra influência de tantas que compõem a religião.

Laise, saiba que a Umbanda é uma religião Libertadora. Isso significa: SEM OBRIGAÇÕES! Em nenhum momento você “terá” que fazer uma oferenda ou um trabalho religioso. Nenhuma entidade “cobrará” você por nada! O primeiro passo para se realizar uma oferenda é entender para que ela serve, qual a sua função.

Caso tenha interesse, lhe indico um excelente caminho para descobrir um pouco mais sobre a umbanda:

1-    Leia o Livro “Umbanda não é Macumba”, de Alexandre Cumino;
2-    Leia o livro “O Guardião da Meia-Noite” de Rubens Saraceni;
3-    Assista o documentário “O que é Umbanda”, de Rogério Avelino
4-    Leia o livro “Manual Doutrinário, Ritualístico e Comportamental Umbandista” de Lurdes de Campos;


Agora, como um irmão e amigo Umbandista, saiba de uma coisa: Se em algum momento dessa descoberta você tiver dúvida com relação à religião, com relação à sua fé ou com relação à Umbanda, faça uma pergunta à si mesma: “Eu estou Feliz?”. Se a resposta for sim, saiba: Você está no caminho certo!

Que o Divino Pai Oxalá abençoe essa sua nova caminhada de descobertas e realizações!


Conte com a Umbanda,

Saravá!
por (154 pontos)
Muito obrigada, David. Me esclareceu bastante coisa.
Vou ler os livros que me recomendou, o documentário já vi e adorei, me fez perder o medo que eu tinha de exú (bagagem evangélica de 7 anos).
Quanto a perguntar pra mim mesma se estou feliz, a resposta é: quando estou dentro do terreiro me sinto feliz, após receber o passe me sinto leve e com as energias renovadas, porém ao sair da gira o "efeito alegre" vai diminuindo gradativamente.... Estou em dúvidas sobre as duas casas, me sinto bem em ambas, porém na primeira por receber uma grande quantidade de pessoas limita a ida a cada 21 dias e apenas faço o que a entidade pede sem saber o porquê, na segunda casa as giras ocorrem todos os sábados e posso ir sem limitações, as entidades sempre me esclarecem tudo o que me mandam fazer, mas eu tive um pequeno desentendimento com o pai de santo e acabei guardando mágoas....  Sou muito reativa e impulsiva, as vezes penso em abandonar ambas e esquecer religião, mas logo penso na falta que vai me fazer....
Entendo, Laise. Te aconselho a separar as relações humanas dentro do terreiro e a Umbanda. São duas coisas distintas. Por mais que amamos a religião de Umbanda, esta é dirigida e frequentada por seres humanos que são imperfeitos e passíveis de erros, como nós. Não desista da religião pois ela, nada tem a ver com os desentendimentos entre seus praticantes.

Espero que encontre um local onde o seu coração e sua espiritualidade se tranquilize! Me coloco à sua disposição!

Grande abraço!
Olá David, gostei muito das suas palavras, curto e esclarecedor. Cada vez acho mais é que a lingua Portuguesa acaba por nos trair e distorcer a informação. Na minha visão deveriamos abolir o termo de que determinada entidade está cobrando algo, porque isso não existe, as entidades nos amparam e orientam e se pedem algo é para usarem a energia desses elementos para nos amparar em alguma area da nossa vida que está mais fragil ou que necessita de ser impulcionada por exemplo, mas na nossa educação o acto de cobrar nos leva a pensar que fizemos algo de errado. Emfim uma questão de português.
527 perguntas
1,113 respostas
4,517 comentários
2,880 usuários