+1 voto
Olá Gostaria de saber  como suas entidades , guias
Falou o nome " se voçe é totalmente consciente ? como que ele passou o nome ?
como foi a experiencia ,

Comigo foi assim ! eu estava estudando sobre caboclo .
e ai eu li caboclo TAL , mais ai eu nem ai , só li  !
depois no templo cantou para caboclo . ai eu senti uma vibraçao diferente
ai eu ja encorporado com ele pedi pra ele me dar o nome !
ai ele bateu no meu peito e disse q eu ja sabia ?
oq voçes acha ? estou certo . devoo firma q esse é o nome ou nao é bem assim !
DESDE JA AGRADEÇO !
por

3 Respostas

0 votos
Olá Luis, em algumas casas ou a maioria dela.
Pedem para que a entidade quando em terra, apresente-se e risquem o ponto no templo mediunico.

Assim aconteceu comigo,
Mas estudar sobre a entidade em questão auxilia bastante no que ela gosta, se existe um fumo especifico, uma erva que ele trabalhe, e voce ter mais clareza.

Mas deixe ele se apresentar, com mais firmeza não se incomode, a insegurança é nossa pior falha, confie mais em seus guias e estude, tome seu banhos de anjo da guarda, como toda casa nos pede;

Espero ter ajudado!
Un abraço
por (54 pontos)
0 votos
Olá Luiz!
Como descreveu a sua experiência vou descrever a minha, vamos ver se nos ajudamos em busca da resposta.
" Desde criança vejo um índio (assim como via parentes recém desencarnados antes da noticia chegar, sufoco e preocupação para família). Na adolescência entrei em depressão e fui levada a um templo de umbanda Caboclo Pena Branca na Vila Madalena -SP, por quem fui assistida e informada que ele cuidaria de minha cabeça (me deu um toco de vela que deveria ser colocada dentro do meu travesseiro).
Na maturidade Trabalhei no kardecismo efetivamente, mas continuava vendo o índio. Me afastando de SP e da casa espírita, conheci um templo de Umbanda e lá estava meu amigo, pela primeira vez o incorporei, rapidamente e pude notar, pois não sou inconsciente, que a mãe da casa agradeceu a sua presença. Foi a primeira e única vez.
Está me acompanhando?
Voltei para o sitio em que morava sozinha de segunda a sexta até o marido chegar no sábado, com certo medo.
Vi então ao lado de minha cama o meu amigo índio de longa data , em pé, grande, forte, de cocar branco, calado, mas como sempre falando dentro de minha cabeça, mente a mente. Pegou pela mão uma indiazinha, baixinha, gordinha e ela se acomodou a meu lado na cama batendo no meu ombro e me mandando dormir porque ela estaria ali me guardando e seria para sempre.Ela sim, eu incorporei sempre que me foi permitido participar de algum trabalho. roda para esquerda, roda para direita e como ele...calada.
Há 3 meses, no centro espírita que iniciei e trabalhei por tantos anos (Casa do Cristo Redentor-Itaquera) recebi uma mensagem psicografada e assinada, lá estava o nome da minha cabocla "Cheiro de Flor"."
Sinto que nomes não são tão importantes, porque antes de sabê-los tive uma longa e feliz jornada espiritual, espiritualista e magista naturalmente.
Essa é minha história cabocla Luiz!
Abraço amigo.
Mariangela
por (94 pontos)
editado por
0 votos
olá , luis

No meu caso ele disse em sonho !!!

Eu sonhei com uma repressão muito forte em uma aldeia , na qual as pessoas estavam vestidas como policiais e ternos pretos , eu assistia tudo como se fosse invisivel , quando ouvi um brado muito alto que tremeu o chão !!!
Quando olhei para trás avistei um caboclo da altura de uns 3 metros , que passou por mim , com o arco armado disparando flechas em direção aos repressores e logo em seguida deu seu grito de guerra , era seu "Cabolo Ubiratan" !!!
Quando ele bradou todos que estavam em volta , também deram seu grito de guerra inclusive o meu , que incorporou automaticamente , meu amado "Caboclo Mata Virgem".
Abraço !! Axé !!!
por
541 perguntas
1,155 respostas
4,533 comentários
3,127 usuários