0 votos
Quando se fala em Orixá logo vem a associação com uma cor.... mas essas cores não são o  "padrão" em todas as "vertentes" ,,, O que se pode dizer sobre isso ?
por (408 pontos)

1 Resposta

0 votos
Salve Laércio

O que posso dizer baseado no que conheço é que apesar de as linhas de Umbanda serem 7 por padrão, cada Orixá em si carrega seus entrecruzamentos com os outros Orixás, ou seja, Ogum por padrão no Candomblé é azul (Ogum é azul, o Candomblé foi a primeira religião brasileira a cultuar os Orixás aqui, logo, não podemos dissociar a ligação entre Candomblé-Africa e nem Candomblé-Umbanda, a Umbanda presta culto aos Orixás por associação as raízes afro, ela não inventou nada e serviu-se muito dos conhecimentos que o Candomblé possui) e apesar de sua cor "original" ser azul existem os entrecruzamentos com os outros Orixás, logo teremos sete chamadas qualidades de Ogum vibrando cruzadas com outros Orixás e por isso mudando sua cor (as cores possuem vibrações próprias).

Dessa forma, quando acendemos uma vela verde, ela pode ser oferecida a determinada qualidade de Ogum sem problema, desde que a pessoa conheça para fazer tal procedimento. Como são poucas pessoas que se interessam em conhecer além do padrão, é mais fácil acender uma vela vermelha ou azul para Ogum dependendo da vertente e oferecer.

As vibrações primárias dos Orixás são fixas, porém as cores de entrecruzamento são várias, assim, a casa que determinada pessoa frequenta (ou dirige) pode cultuar mais Ogum na sua vibração A do que na B,C,D,E,F,G e por isso a cor usada muda. Não vejo isso como erro de maneira alguma pois os Orixás sendo manifestações de Olorum em tudo o que existe, possuem muito mais do que os padrões que tentamos com nossa mente limitada impor neles, as vezes é preciso pensar um pouco "fora da caixinha".
por (744 pontos)
Olá mano ... Saudações Umbandistas...

Com todo respeito que costumo dedicar aos meus semelhantes quero pedir licença para dizer algo sobre esse assunto.
É cono eu entendo a Umbanda...
Como é do seu conhecimento eu ENTENDO que a Umbanda é a própria Vida...
Muito simples... com muitas coisas boas ... e outras ruins...rss
Em sendo assim, entendo que não existe "padrão" para a escolha da associação de cores aos Orixás, pois como sabemos CADA UM TEM A SUA UMBANDA....
Na Vida nós aprendemos com a Vida... observando desde que passamos a ter noção das coisas,,,
E ná Umbanda não é diferente... aprendemos observando e tirando nossas conclusões...
Mas uma coisa eu entendo e respeito.... existe uma FORÇA uma ENERGIA maior que deu início a tudo isso que acontece ...
Felizmente não temos nem teremos o direito de conhecer essa energia....
Hoje em dia conhecemos muitas coisas que nunca podíamos entender no passado distante..
É a evolução....estamos aqui para evoluir....
É assim que entendo e acredito na nossa espiritualidade.... uma energia que sentimos, usamos, mas não sabemos de onde vem...
Simples....devemos nos preocupar em viver...praticando cada um a sua Umbanda ..
AXÉ mano !
Olá mano !...
Voltando mais uma vez e relendo sua resposta notei que entre muitas palavras que podem ou não causar impacto em alguns irmãos, um trecho que se enquadra exatamente a simplicidade com que eu entendo  a Umbanda... vejamos...
"As vibrações primárias dos Orixás são fixas, porém as cores de entrecruzamento são várias, assim, a casa que determinada pessoa frequenta (ou dirige) pode cultuar mais Ogum na sua vibração A do que na B,C,D,E,F,G e por isso a cor usada muda. Não vejo isso como erro de maneira alguma pois os Orixás sendo manifestações de Olorum em tudo o que existe, possuem muito mais do que os padrões que tentamos com nossa mente limitada impor neles, as vezes é preciso pensar um pouco "fora da caixinha"."

NOSSA MENTE É INFINITAMENTE LIMITADA PARA ENTENDER CERTAS COISAS....

É exatamente por isso que não se consegue padronizar a prática da Umbanda...

Valeu irmão !...
573 perguntas
1,197 respostas
4,579 comentários
3,792 usuários